Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DN & Companhia

Hospital do Douro Sul

 

De forma simples e sumária, com o objetivo de continuar a promover a discussão, hoje, aqui, deixo este pequeno apontamento sobre o nosso Hospital!

TAC /Ataque.

O Hospital do Douro Sul em Lamego é um Ferrari de dois lugares, inacabado, destinado a uma família de cinco pessoas a pensarem viajar juntas!
Uma boa máquina, se estivesse a funcionar em pleno. Mas que mesmo com todas as peças, tal como está, nunca se ajustará às reais necessidades daquela família - a região do Douro Sul!

A opção por este modelo de Hospital foi errada!
Mas nem o atual modelo - programa funcional - está a ser cumprido!

Culpados: Governos e todos nós!

Hospital de proximidade, mas só na localização do edifício!


Estava iminente mais um ataque à já reduzida oferta assistencial deste Hospital?

Das notícias parece que vamos, até ao final do ano, ter TAC!
O TAC é importante e é incompreensível a sua não existência. Gastaram-se ali quarenta milhões, o equipamento TAC custa duzentos mil euros..! Uma jante no Ferrari!
O serviço de urgência, atualmente classificada atipicamente de "urgência qualificada", está periclitante. Não poderemos deixar nunca perder este serviço e sem ninguém dar por isso, passar a ser, na prática, um serviço de urgência básica, com redução de especialidades de apoio. Ainda em consequência o esvaziamento da medicina!
Só por razões muito penalizadoras para a região, uma das referências deste Hospital, se demitiria da recente função de Adjunto da Direção clínica – Dr. Alexandre Hoffmann.

Soluções?
A mais óbvia: fazer cumprir o programa funcional originário!
A mais útil para todos nós: definir um modelo novo, um programa funcional que sirva as pessoas desta região.
É fácil?
Não. Fazer de um Ferrari de dois lugares um carro familiar, não é fácil!
Mas é possível aproveitar o que está feito e ter-se a coragem de introduzir um modelo novo e ajustado às especificidades do Douro Sul.

E o futuro?
Há um projeto exequível que pode ser uma saída:
Aumentar, com novos investimentos o número de camas.
E, podemos acrescentar camas a este Hospital localizando-as em cada um dos concelhos. Desta forma teríamos um verdadeiro Hospital de proximidade!
Poderei explicar melhor esta e outras propostas de solução!

Realidades que não poderia deixar de realçar:
Serviços de excelência, destacando-se a cirurgia de ambulatório, mas com baixíssima taxa de utilização dos meios disponíveis, e o centro oftalmológico com riscos estratégicos a considerar.
Também, mesmo com todas as dificuldades, resistindo, ali trabalham, incluindo serviço de urgência, dando o melhor de si, profissionais que não poderemos deixar sozinhos! A quase todos, a região deve muito!

O Douro Sul, na saúde,
Precisa de novas soluções!

 

(Fotografia obtida na Internet. Obrigado)

Douro Sul a perder mais serviços de saúde!?

hospital lamego - foto internet.jpg

 Douro Sul a perder serviços de saúde!

 

 

Diretores Clínicos Adjuntos do Centro Hospitalar Trás Montes e Alto Douro demitiram-se em bloco..!

 

Algo de importante se passa neste centro hospitalar!

 

A minha "intuição" é que o Douro Sul vai perder ainda mais serviços de saúde!

Hospital de Lamego a cair num vazio assistencial...!! ??

 

Ando há muito tempo a falar para o boneco - é urgente um novo programa funcional para o Hospital do Douro Sul.

Mas, já nem o programa funcional em vigor está a ser cumprido!

 

 

E, precisamos de um novo modelo de organização dos serviços de saúde no Douro Sul - há imensas especificidades nesta região, não comparável com qualquer outra no país - falarei deste assunto com quem estiver disposto a pensar nos cidadãos desta região! 

 

A inação e a indiferença em saúde são..........!

 

 

Douro   Sul

Ação - precisa-se!

DN

Sernancelhe faz bem!

A cultura como um dos pilares estruturantes do desenvolvimento!

 

livro.jpg

Sernancelhe sabe fazer muito bem à cultura e coloca-a numa dimensão audaz.

Promove cultura, valoriza o seu património material e imaterial, de forma invulgar!


Exemplo disto, no sábado passado, no Carregal, pude assistir a um evento de altíssima qualidade organizativa, de elevadissimo conteúdo cultural e com uma participação de cidadãos absolutamente anormal.

E, com aquele requinte da simplicidade do bom gosto!

Até o convívio final, com referências gastronómicas destas terras, espelhava a subtileza de quem concretiza com minúcia e planeamento.


A apresentação da reedição de um dos livros - cinco reis de gente- ícone da obra literária de Aquilino Ribeiro, foi um momento que nos encheu a alma!
Estava subjacente a vontade inequívoca de honrar o Autor, a sua obra, acolhendo, com peculiar sentido de inclusão cultural, todos sem exceção.

Um lançamento de um livro em ambiente físico e humano certamente pouco comuns.


Parabéns ao Município e ao povo de Sernancelhe pela participação , pela visão e capacidade de estar e fazer bem!


Domingos Nascimento

 

 

O Douro sul - a construir bom caminho!

Sernancelhe

 

Inspirado na afirmação claríssima do Presidente da Câmara de Moimenta da Beira - a região ou cresce em conjunto ou desaparece em conjunto - escrevo sobre o Douro Sul, na certeza de que esta região está a construir caminho de mãos dadas.

São muitos os sinais que nos fazem olhar o futuro coletivo com otimismo. Há uma força agregadora, que tem vindo a promover sinergias.
O Douro Sul, é e pode ser ainda mais, uma marca umbrella para um território com marcas de excelência.

Lamego é a marca com maior notoriedade nacional deste território e devemos aproveitá-la de forma mais objetiva. Lamego pode e deve continuar a afirmar-se como a capital sociológica desta região. A opção pelo eixo de cidades Lamego, Régua, Vila Real, não belisca em nada a função agregadora desta cidade ímpar, com referências nacionais e internacionais, incontornáveis, associadas ao que de melhor tem a vida.
Mas, felizmente também outras Vilas e cidades se impõem:
Penedono é a nossa Vila Medieval e o evento que já constitui uma referência pela sua elevadíssima qualidade, a feira medieval, pode ser o mote para dar corpo a vivências medievais continuadas numa grande parte do ano, fazendo de Penedono uma atração ímpar no país.

Sernancelhe, a nossa Vila da saúde e da cultural, que recentemente levou a cabo o SER + Cultura, evento multifacetado e diferenciador, está a afirmar- se como um destino especial, também muito pela sua capacidade de mobilizar e organizar com elevadíssima qualidade.

Hoje, estas referências, a título de exemplo, deixando para uma próxima a abordagem concelho a concelho, dando a minha opinião das dinâmicas que já constituiriam uma grande atração continuada a ser promovida com a marca umbrella Douro Sul.


Este Douro, da vinha, do vinho, mas também da roga, é tão diversificado e largo, que não deve impedir que possamos trabalhar em escalas mais coesas e exequíveis. A escala Douro Sul, a cidade que se impõem, é a escala certa para os concelhos do lado de cá do rio. Mas, Douro Sul, são todos os concelhos do lado de cá, por isso, acredito que, para além dos 10 atuais, outros, nesta ou naquela iniciativa ou projeto, possam abraçar e aceitar esta marca que valoriza.


Alguém me dizia que o nosso problema, o nosso problema maior, a desertificação, não se resolve só com apoios económicos às famílias, mas sim com cultura. Aculturar para uma mudança sociológica.

Viver nestes territórios diferenciadores é IN, é qualidade de vida, é estar perto do mais genuíno da vida, é um privilégio!
As mudanças, as grandes transformações sociológicas partem das pequenas coisas. E, há algo que todos podemos fazer e não custa nada, é passarmos a olhar, a sentir e a viver neste território, com atitude positiva e cativante.
O Douro Sul - a cidade que se impõe, é um território de excelência que vai crescer em conjunto.

 

Domingos Nascimento

Falar claro, faz bem à saúde!

ds fev 2016.pngFalar claro, faz bem à saúde !

 
Por imperativo de consciência de cidadania e também pela obrigação que me advém do exercício de funções no poder local, exponho aqui, de forma simples, problemas na prestação de cuidados de saúde no território do Douro Sul:
 
 - Agudiza-se a falta estrutural de médicos em unidades de vários concelhos do Douro Sul.
 Em alguns casos isto está a acontecer por força da aposentação de uma geração de profissionais de excelência e a quem a região deverá fazer a devida homenagem. Esta situação é problemática pela não fixação de novos médicos.
 
- Não há enfermeiros em número suficiente para a criação de equipas de cuidados continuados domiciliários que permita uma cobertura a todos os concelhos / só o concelho de Tarouca tem este serviço.
 
- Falta uma solução para a prestação de cuidados no âmbito da medicina física e de reabilitação.
 
 - O programa funcional do Hospital de Lamego é desajustado às necessidades reais das pessoas dos concelhos que serve, provocando um subaproveitamente desta infraestrutura e um problema de acesso dos cidadãos aos cuidados diferenciados. 
 
Neste contexto, importa salientar o esforço e a competência dos profissionais de saúde e da saúde, que aqui trabalham, minimizando os efeitos negativos desta carência de recursos e da ineficiente  estrutura organizacional - relembro a ideia que tenho aqui deixado- é urgente a criação de uma rede integrada de saúde nesta região - envolvendo as unidades do serviço nacional de saúde ( hospitalares e cuidados primários), as instituições de solidariedade social e os municípios / processo este que não custa dinheiro!
 
 Há urgência na construção de uma estratégia que responda às necessidades concretas deste Douro Sul .
 
Sem novas soluções, há eventuais perdas em saúde e qualidade de vida dos Sul durienses, que pesarão nas consciências de todos nós!
 
 Para novas realidades - demograficas em particular - precisamos de um rasgo de vontade para, novas soluções!
 
Todos temos um papel importante na mudança das coisas!
 
 Domingos Nascimento
 
 
 
 

Douro Sul - uma ilha fantástica!

mapa.png

Decididamente, queremos ser uma ilha, olhar mais para nós mesmos e valorizar as particularidades tão evidentes deste território, que me parece não ser necessário descrever. Uma ilha paradisíaca e promotora de bem-estar.

 

As ilhas, poderemos dizer, de forma simplória, são partes emersas de cadeias montanhosas. O Douro Sul, metaforicamente, emerge, de forma estruturada, fruto de fatores que serão certamente a diferenciação para a mudança que está já em curso e que permitirá a sua sustentabilidade territorial e afirmação no contexto nacional e internacional.

 

A condição insular, promove o engenho e arte necessárias para se sobreviver, por exemplo, a união de esforços. Mas, numa visão ainda mais pragmática, também nos ensina a buscar no exterior o que precisamos para fazer mudança. E, o que precisamos, é que os Governos Centrais, "lá do continente", percebam a importância estratégica desta ilha e concretizem políticas visíveis de promoção de desenvolvimento sustentado para este território que, acentuadamente, se desertifica. Lembram-se da catástrofe lenta, silenciosa mas profundamente devastadora que vem ocorrendo, há duas décadas pelo menos, a que todos chamamos de não "há ninguém"? Pois essa catástrofe já dizimou em alguns concelhos desta ilha, uma imensidão de gente. Mesmo com o esforço e grande dedicação do poder local.

 

Em resposta a esta diminuição populacional os governos do continente decidiram: fechar serviços, diminuir os investimentos e, cada vez que pensam em nós para definir o que ainda cá irão "gastar", fazem as contas ao custo per-capita. Isto é, somos poucos, temos direito a cada vez menos. Há infraestruturas que começam a ser abandonadas e que continuam a ser fundamentais para todos nós. Teria muitos exemplos a dar quanto ao desinvestimento que é cada vez mais notório. Não fora o Poder Local e teríamos situações de inoperacionalidade de serviços básicos, de equipamentos e vias.

 

Então sejamos ilha. Saibamos ser ilha, façamos jus à condição insular e rumemos ao "continente" fazendo ouvir a necessidade de políticas de desenvolvimento com equidade e não, como até agora, de um igualitarismo bacoco e insensível. Não podemos permitir que sejamos tratados de forma igualitária quando na realidade o nosso contexto geográfico é diferente e indutor de constrangimentos mortíferos no que à demografia diz respeito.

 

Estes, ainda cerca de 100.000, seres humanos, esperam de nós um grito de alma, um gesto firme e preciso, para que, o mais rápido quanto possível, possamos inverter ou pelo menos suster, a mortandade territorial que está a acontecer!

 

O Douro Sul é uma ilha,

Humanizada com excelência, de horizontes largos e profundos, com casarios e pessoas lindas!

Domingos Nascimento

Calar, faz mal à saúde

O Douro Sul em queda livre para o abismo? 

 

Falta massa crítica, falta gente, falta uma solução para o Hospital  de Lamego, faltam soluções para os Cuidados de Saúde Primários, falta escala às Instituições de Solidariedade Social. 

 

Isto se percorrermos o caminho sozinhos, cada um dos concelhos fechado em si próprio. 

 

Mas felizmente há esperança

Os Autarcas, neste Douro Sul, extraordinariamente motivados, competentes e humanamente próximos, já deram início a um novo tempo, aproveitando esta oportunidade única e histórica, para construírem um caminho comum que nos permita sair da rota do precipício. 

 

Juntos, querem promover e alargar a ""sensibilidade política"", que os caracteriza, para tornar possível o aproveitamento das oportunidades e para a resolução de problemas, comuns. Juntos, não deixarão perder mais serviços na região e saberão consolidar outros. 

 

"As carências de profissionais de saúde num dos concelhos, é um problema comum que afeta todos." Ouvi isto e muito mais, num evento promovido pelo Presidente do conselho da comunidade do Agrupamento de Centros de Saúde, Valdemar Pereira. 

 

A união de esforços e de estabelecimentos de saúde, neste Douro Sul, dará escala e promoverá qualidade e maior estabilidade da oferta assistencial. Integrar soluções, com a participação dos Municípios, que lhe acrescentam " sensibilidade política " aproximando-as dos reais problemas das pessoas concretas, é promover mudança na prestação de serviço público, acrescentando humanização e qualidade intrínseca.

 

As Instituições,  essas estruturas da sociedade civil com grande relevância social, já estão na vanguarda do novo tempo, organizando-se em rede. 

 

Mas, desejavelmente, tendo em conta as idiossincrasias deste território, deverá apontar-se para uma solução alargada que seja inovadora e exequível, na prestação de cuidados de saúde. A solução, resumidamente, passará por uma Dinâmica Integrada em Saúde - juntando num esforço conjunto, o Hospital de Lamego, os Cuidados de Saúde Primários, as Instituições de Solidariedade Social e os Municípios. Os cidadãos saberão reconhecer este positivo esforço organizacional, neste território tão peculiar e único no contexto nacional.

 

Então, saibamos continuar o caminho e que em cada passo sintamos, cada vez mais, o calor da mão dos que connosco resistem neste paraíso, esta "Cidade Douro Sul". 

 

Falar, faz bem à saúde!                                                                                   

Deste Douro Sul

A cidade que se impõem

Domingos Nascimento 

Há muita vida neste Douro Sul

»Bem sei que temos a CIM Douro e é notória a sua importância em algumas dinâmicas supra concelhias de âmbito mais alargado, mas não me reconheço nessa escala e não identifico nela a solução para os nossos problemas mais específicos.

 

Por isso, considero que estes concelhos a Sul do Douro, estão destinados a abraçarem-se. Já não basta dar as mãos, é preciso uma ligação mais forte, duradoura e promotora de confiança."

 

Em Lamego a Senhora dos Remédios, essa festa emblemática; em Moimenta da Beira a Expodemo, que se afirma a cada ano que passa; em Sernancelhe a Festa da Castanha, uma montra gastronômica com invejável procura; em S. João da Pesqueira com a Vindouro - Festa Pombalina, já uma referência na vitivinicultura; em Tarouca o S. Miguel, com grandes memórias e a construir um novo modelo; em Armamar a Feira da Maçã, apresentando uma grande vitalidade; em Tabuaço o S. João, forte e de grande tradição; em Resende o Festival da Cereja, um ponto de encontro de produtores e consumidores; em Penedono o Mercado Magriço, que procura valorizar as iniciativas locais.

 

Este Douro Sul apresenta, para além destes eventos que aqui trago a mero título de exemplo, atividades extraordinariamente marcantes.

 

Cada um destes eventos é divulgado exaustivamente por todo o território e transformou-se, cada um deles, em cartaz de atração turística e ponto de encontro obrigatório dos cidadãos desta região.

 

Em cada um destes acontecimentos, a escala de potenciais frequentadores passou grandemente a estrutura demográfica de cada um dos concelhos. Os quase 100.000 habitantes do Douro Sul, dão outro alento a tudo o que se realiza em cada concelho.

 

Esta CIDADE DO DOURO SUL, de vilas e cidades fantásticas, é cada vez mais uma referência nacional.

 

Esta realidade, vista a partir de um olhar otimista e um futuro desejado, é constatada no presente em alguns dos eventos e possível para muitos mais. Esta abordagem de atividades nos Municípios, vinca a importância da afirmação da cidade Douro Sul.

 

Certamente que todos percebemos que não se tratará de uma cidade em stricto sensu, mas sim uma cidade de exercício de cidadania, assente em vontades de partilha de recursos e interesses comuns, de cidadãos que persistem em viver nestes concelhos tão fustigados pela catástrofe da desertificação humana.

 

Bem sei que temos a CIM Douro e é notória a sua importância em algumas dinâmicas supra concelhias de âmbito mais alargado, mas não me reconheço nessa escala e não identifico nela a solução para os nossos problemas mais específicos.

 

Por isso, considero que estes concelhos a Sul do Douro, estão destinados a abraçarem-se. Já não basta dar as mãos, é preciso uma ligação mais forte, duradoura e promotora de confiança.

 

Os líderes locais estão com uma extraordinária visão para a solução dos problemas comuns. Fiquei até muito bem impressionado depois de algumas conversas que fui tendo com alguns deles e isso deixa-me otimista. A cidade Douro Sul será, porque já está a ser, uma realidade.

 

Não descobri a pólvora, nem tão pouco algo ou uma visão especial, na verdade já foram muitos e são já muitos a defenderem esta escala de organização territorial.

 

Saibamos juntar vontades e pragmatizar este objetivo muito claro e, em conjunto, promovermos um tempo novo na organização das políticas públicas no Douro Sul, aproveitando sinergias também nas dinâmicas da sociedade civil, empresariais e institucionais.

 

Os cidadãos agradecem,

Douro Sul - A cidade que se impõe.

A cidade que se impõe Douro Sul

Com aproximadamente 100.000 habitantes a cidade de nome Douro Sul, vai ganhando forma. Com um território que vai desde a margem do Douro até às serras das Beiras, esta cidade tem características únicas.

 

Uma cidade que abraçou cidades e vilas cheias de história e de futuro. Nasceu da vontade histórica dos seus líderes, que visionaram um caminho mais risonho para os seus concidadãos, unindo-se para construir oportunidades. Por sua vez, os cidadãos e as instituições, deram as mãos e avançaram para um aproveitamento de sinergias nunca antes visto.

 

A cidade do Douro Sul, foi a escala que concluíram ser imprescindível para manter vivas as suas terras, assoladas pela catástrofe demográfica, que as estava a esmagar.

 

Fomos ao futuro e deparamo-nos com extraordinários exemplos de boa organização territorial.

Um primeiro exemplo:

 

1- Esta cidade é servida por uma estrutura organizativa inovadora na área da saúde, constituindo-se numa Dinâmica Integrada em Saúde.

 

Muito resumidamente, podemos salientar que esta Dinâmica em saúde integra, em sintonia perfeita, aproveitando todos os recursos, um Hospital com programa funcional suficientemente largo para uma resposta satisfatória aos cidadãos do Douro Sul; Um Agrupamento de cuidados de saúde primários, com recursos humanos suficientes; Muitas Instituições de solidariedade social e todos os Municípios com atividades em saúde.

 

Entretanto, o Hospital levou ao domicílio o internamento hospitalar.

 

Nesta Estratégia, na cidade do Douro Sul, só tiveram em conta o bem-estar dos cidadãos, colocando-os no centro de todas as preocupações.

 

Convido-o a ir ao futuro fazer uma visita a esta "cidade" Douro Sul e ajudar a construir o presente com maior proximidade.

 

Felizmente já há muita realidade nesta visão algo ficcionada de uma " cidade" à escala do Douro Sul.

 

O destino colocou nas lideranças concelhias, neste território, autarcas de excelência e muito particularmente Presidentes de Camara com visão e capacidade de diálogo.

 

Acredito que o caso da saúde será paradigmático, mas há já várias iniciativas que não podem deixar de ser realçadas. O caso da Baga do Sabugueiro e da Infraestrutura que serve para a preparar para exportação. A Regiefrutas, encontrada com grandes problemas de sustentabilidade financeira, está a ser um excelente exemplo de que uma boa liderança autárquica, com a conjugação de sinergias de vários concelhos, as coisas acontecem e promovem-se novas oportunidades para a agricultura do Douro Sul.

 

O cluster do espumante, o da maçã, da castanha, da vinha e do vinho, o dos monumentos históricos, da cultura, estes e outros que todos facilmente identificamos, servem para ilustrar tanto em comum neste território.

 

Há muita vida neste Douro Sul.

 

Domingos Nascimento

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Contactos